domingo, 25 de outubro de 2009

Opa.

-Vão me prender em uma daquelas cápsulas de vidro sabe? Abrir meu abdômen e deixar ele exposto a visitação pública, lá na praça Afonso Pena.

-Entendi.

-Sempre achei que faltava alguma coisa naquela praça, mas nunca imaginei que seria eu.

-Acho que não é você, necessariamente, mas sim um monte de órgãos vitais a mostra.

-Mas por que me escolheram? Eu devo ser especial,de alguma maneira.

-Você deve ter sido a única pessoa que concordou com isso,na boa..Porque apesar de tudo estar devidamente desinfetado,seus batimentos cardíacos estarem sendo monitorados e blá blá blá, existe um risco.

- Qual risco?

-Os riscos óbvios.

-Tipo,morte?

-Aham.

-Olha, de acordo com todos os meus cálculos, eu provavelmente morreria em uma maca de hospital,cheio de tubos, com uns aproximados setenta anos e completamente sozinho. Morrer com os órgãos expostos na praça Afonso Pena me parece bem mais digno.

-Se fosse na praça do Sapo eu acho que seria melhor.

-Que nada, tá ótimo ali. É perto do banco.

-Juro que me esforcei,mas não entendi a conexão. O que tem o banco?

-Depois que eu ficar lá o tempo estipulado, e ser costurado e tudo ficar certo de novo, eu já passo lá e pago meu cheque especial.

-Malditos cheques especiais.

-Nem me fale. Sou todo fodido com isso,esse lance de grana.

-Todos nós da Consagrada República dos Seres que Venderam a Alma.

-Verdade,todo mundo da República não sabe lidar com seus bens.

-Falando nisso, tá na hora de dar uma varrida na Rep, uma vez escorreguei e cai de costas no
chão e tive que tomar um banho.

-Ha ha ha ha. Vou varrer ela essa semana.

-Beleza...Bom,então vou nessa. Agente se vê mais tarde então.

-Tá certo, você vai ir me ver ?

-Am?

-Na praça.

-Que?

-Órgãos,eu,exposto,praça,lembra?

-Ah! Vou sim,pode deixar.


4 comentários:

Legs disse...

bons dialogos me fazem ter boas idéias...
não pare de escrever ok?

João Henrique disse...

Ai... amo como escreve...
saudades de vc.
(L)

Legs disse...

onde está mariana q não me visita mais? Oo

Márcio Vandré disse...

Um diálogo bem divertido.
Parabéns pelo texto.
Abraço!