sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

Breve ensaio sobre as letras.

Ricóides Intelectualóides não sabem descrever uma trepada, sempre colocam uma poesia ali,um eufemismo aqui... De forma que tudo fique tão ornamental, que a trepada mesmo fica irreconhecível. Parece que o cara descobriu a Verdade Absoluta Sobre a Espiritualidade Humana, com cores demais, sensações demais e belezas demais.

A palvra escrita, deveria ser uma continuação da verbal...Não uma subdivisão enfeitada. As pessoas devem escrever da mesma maneira que falam. Agora, eis um detalhe, se você fala como um Ricóide Intelectualóide e por consequência escreve desta maneira, o resultado é simples: Eu nunca lerei um livro seu.

Então,tanto faz.
Existem os maus e existem os piores ainda.

3 comentários:

Legs disse...

Certamente um cara que consegue expressar algo com poesia demais está bebado, e todo bebado apaixonado é poético e romantico, patético tbm, claro...
vc sabe disso td mais do que qualquer um...
mas oq fazer quando é só oq sai?
mole e gosmenta igual merda, tudo oq sai é enfeitado, parece um carnaval louco...
aahhhh a trepada deveria ser apenas uma trepada... mas não se esqueça que existe o gozo e isso não se pode negar: é sublime e patéticamente poético quando deve ser. Então quando deve ser?

beijos

Marcelo Pierotti disse...

Maqueporra. Você muda de blog e eu nem fico sabendo.

Isso faz um mal danado para as manhãs de domingo.

Aquiles disse...

Cheia de razão.
O texto gostoso, não cansativo é o que sai de nossas mãos como as palavras de nossa boca, não assassinando a lingua, mas espontâneo e simples. É como a boa trepada que sai na hora que se tem vontade levada pelo impulso do desejo, pela força do tesão. Se marcar hora e combinar regras já é início para uma broxada.

Beijos